Dia do veterinário

Dia do veterinário: Avanços e desafios marcam a profissão.  Desenvolvimento tecnológico, ampla atuação e aumento do número de PETs nos lares brasileiros elevam status da medicina-veterinária.

Hoje, dia 9 de setembro, é comemorado o Dia do Veterinário, profissional que, a cada dia, ganha mais importância em diversos setores da sociedade. 

Dia do veterinário

Em homenagem aos médicos-veterinários, a DrogaVET, líder em manipulação veterinária no País, apresenta os desafios que a área enfrenta e os avanços científicos, que proporcionam ao mercado maior eficiência nas diversas frentes de atuação desta profissão.

“Nos últimos anos o papel exercido pelo médico-veterinário tornou-se mais relevante, principalmente na área clínica, na qual ele trata da saúde e qualidade de vida dos PETs. Essa importância é resultado do aumento do número de animais presentes nos lares brasileiros, como parte integrante da própria família” explica a franqueada da DrogaVET, Ana Carla Bruscki.

Veterinário. foto: Jeffrey Beall

Assim como filhos, pais e avós, os PETs também geram preocupação nos tutores quando não estão bem. Por esse motivo, o veterinário ganhou o mesmo status de um “médico da família”, tendo que passar confiança e credibilidade ao dono do pet, para atender toda e qualquer emergência com o paciente animal. “Além disso, entender os hábitos da família ajuda no diagnóstico do animal de estimação.

Em alguns casos, eles são acometidos de problemas emocionais: tristeza e depressão, oriunda da ausência de um ente, por exemplo, e não necessariamente por estar com alguma bactéria ou vírus.

Além disso, a maioria dos donos de PETs possuem mais de um animal, de diferentes espécies e raças, exigindo maior preparo do veterinário para socorrer, ao menor sinal de instabilidade, para que não haja contágio, inclusive dos demais”, pontua Ana Carla.

09 de setembro: Dia do veterinário

Saúde do gato. Veterinário administrando medicamento

Nesse sentido, essa disponibilidade e segurança são benéficas para todos os envolvidos: o veterinário,  que acaba conhecendo todo o histórico de saúde do animal, as circunstâncias e hábitos da família, podendo realizar diagnósticos mais rápidos e precisos.

Ao PET, que recebendo esse diagnóstico e sendo medicado logo tem mais chance de se recuperar em menos tempo e sem estresse, por já estar acostumado com o profissional; e a família, que, diuturnamente, tem o respaldo de poder contar com um profissional de confiança.

Em relação a área de atuação, a especialista afirma que o mercado evoluiu e tornou-se abrangente, permitindo que o médico veterinário atue em diferentes áreas. Entre elas, diagnósticos por imagens, exames de radiografia, endoscopia e ultrassom, por exemplo; a oftalmologia a cardiologia e a terapêutica; e até na manipulação veterinária, que auxilia e colabora na medicação do pet, sendo mais palatável para ele (em formas e sabores diversos) e preparado na dose certa, diminuindo o estresse e desperdício ao medicar.

“Antigamente, o tutor tinha que dividir os comprimidos e até mascará-los em alimentos para conseguir medicar os PETs. Em alguns casos, forçava a ingestão dos mesmos, provocando vômitos e deixando o animal ainda mais vulnerável à situação de enfermidade”, relembra Ana Carla Bruscki.

Veterinário, um profissional de valor

Dia do Veterinário. by Austin Community College/flickr

De acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), até 2015, haviam cerca de 105 mil médicos veterinários atuando nas mais de 80 áreas, em 2017, já são mais de 110 mil profissionais atuantes.

Segundo o mesmo órgão, em 2005 haviam aproximadamente 130 cursos de medicina veterinária, atualmente são 277 cursos em atividade. “Esses dados são expressivos e revelam que a profissão continua crescendo.

Enquanto os investimentos em pesquisas e desenvolvimento tecnológico contribuem para a modernização e atualização dos profissionais, fazendo com que estes possam tratar dos animais e colocar em prática o dom de amar a vida animal”, finaliza a especialista.  

Comentários do Facebook