Alergia a gatos

Alergia a gatos: Lamentavelmente, muitos amantes de gatos convivem com o fantasma da alergia a gatos.

Nesse artigo, abordamos informações que você precisa saber, e o que você pode fazer para minimizar as reações alérgicas ao contato com os gatos. Afinal, se desfazer do seu animal é a última opção.

Alergia a gatos

Reação alérgica a gatos. by Andrew Goloida

Alergias são um conjunto de condições médicas causadas pela hipersensibilidade do sistema imunológico a substâncias que geralmente causam pouco ou nenhum problema na maioria das pessoas.

Tais reações incluem rinite alérgica, alergias alimentares, dermatite atópica, asma alérgica e anafilaxia. Os sintomas mais comuns são olhos vermelhos, manchas que provocam comichão, fluxo nasal abundante, falta de ar ou inchaço.

A alergia a gatos em seres humanos consiste na reação alérgica a um ou mais alergênios produzidos por gatos. O mais comum destes alergênios é glicoproteína Fel d 1, segregada pelas glândulas sebáceas do gato.

Ou seja, o grande problema não é causado diretamente pelos pelos do animal, mas ao se lamber, o gato transfere pela saliva a proteína causadora da alergia para todo o corpo, incluindo, é claro, os pelos. 

Muitos humanos de fato são alérgicos à essa proteína presente na saliva dos gatos, transmitida no contato com a pele ou com o pelo do animal. A glicoproteína Fel d1 pode gerar espirros, irritação das vias respiratórias e, em casos mais agudos, asma, rinite e outras reações alérgicas.

Uma reação alérgica é uma reação de histamina, que é geralmente caracterizada por tosse, chiado, aperto no peito, coceira, congestão nasal, prurido, olhos lacrimejantes, espirros, lábios rachados  e sintomas semelhantes.

Dicas para combater a alergia a gatos

  1. Evite que o gato durma na sua cama. Também é recomendável que o animal não tenha acesso ao seu quarto. Lembre-se que você passa ao menos 1/3 do seu tempo ali e eliminar a presença dos felinos já é uma grande vantagem.

  2. Mantenha a casa limpa. Use sempre o aspirador para remover os pelos e a poeira. Um pano úmido também é recomendável nas superfícies. Lembre-se de que alérgicos não devem fazer a faxina!
  3. Troque os lençóis e fronhas preferencialmente uma vez por semana. Elimine tapetes e carpetes.
  4. Evite muito contato físico com os gatos. Lave as mãos após acariciar o animal.
  5. Faça imunoterapia. É um tratamento de valor elevado e que os planos de saúde geralmente não cobrem, mas tais tratamentos têm uma boa chance de melhorar a reação alérgica.
  6. Dê banhos no animal, uma vez por semana. Eles não gostam e normalmente são bem limpinhos, mas esse procedimento é de grande valia para minimizar os efeitos da alergia.
  7. Mantenha as janelas abertas, sempre que possível. 
  8. Faça escovação diariamente. A escovação é ótima para evitar que o gato elimine muitos pelos pela sua casa. Saiba mais em escovação!

No dia 24 de setembro de 2006, a empresa biotecnológica Allerca anunciou o começo da criação dos primeiros gatos hipoalergênicos (antialérgicos). Além disso, existem algumas raças de gatos que produzem pequenas quantidades da proteína responsável pela reação alérgica, não causando, deste modo, tantos problemas às pessoas sensíveis.

Se você pretende ter um bebê, adote um gato, pois eles ajudam a prevenir alergias em crianças.

Comentários do Facebook