Chartreux

Chartreux

Chartreux: O gato Chartreux, conhecido pelo rosto cativante, é um gato elegante e de forte personalidade. É um amigo fiel e um ótimo guardião. Apesar da sua aparência calma é dotado de uma extrema inteligência e não dispensa uma bela caçada.

Bastante calmo e tolerante, é muito dedicado e apegado à sua família, demonstrando um enorme carinho e simpatia. É sociável, simpático e lindo.

Chartreux – Raças de gatos

O gato Chartreux Evie. by Mike McCune

O gato Chartreux Evie. by Mike McCune

É um gato que necessita de espaço para se exercitar, pois adora correr pela casa sempre na brincadeira com o seu dono ou com um simples brinquedo.

Para ele, um pouco de exercício frenético a um ritmo alucinante, pelo menos uma vez por dia é mais do que suficiente para se sentir o gato mais feliz e alegre do mundo. Adora naturalmente, chamar a atenção e ser acariciado.

Com um corpo forte, robusto e porém musculoso, o Chartreux é um gato extraordinário.

• Documentário O Gato e seus Mistérios

O seu pelo curto, fofo e lanudo é muito macio. A cor é cinza-azulada e pode variar entre cinzento mais claro ou mais escuro, sendo que deve ser uniforme desde a raiz. O brilho do pelo é percebido através das pontas prateadas, mas não deve apanhar muito sol, pois pode ficar com reflexos acastanhados, o que não é aconselhável. 

História da raça Chartreux

A história do Chartreux é fantástica. Alguns sustentam que seus antepassados chegaram a França por mar, vindos provavelmente da antiga Síria e Irã e, trazidos pelos cavaleiros que regressavam das Cruzadas.

Diz a história que o Chartreux viveu e recebeu este nome dos monges Cartuxos da França e talvez tenha compartilhado com eles o famoso licor de Chartreuse. Porém, uma recente pesquisa indica que por causa da aparência de lã da sua pelagem, ele recebeu o mesmo nome de uma lã espanhola muito conhecida no princípio do século XVIII.

história do Chartreux

Magdaleine Pinceloup de la Grange by Jean-Baptiste Perronneau, 1747

A presença desta raça já era documentada desde o século XVI e era reconhecida pela sua textura e cor do pelo perculiares. Contudo, o seu percurso até os dias de hoje não foi fácil, uma vez que esteve quase em extinção, pois durante os séculos XVIII e XIX a sua pelagem e carne foram comercializados, pois o seu manto lanudo e fofo era muito apreciado.

Costumava ser criado por causa de seu incomparável pelo aveludado, o que o fazia alcançar um preço elevado. No entanto, na década de 1920, a raça diminuiu numericamente, mas felizmente sobreviveu graças aos esforços de duas freiras atraídas pelos gatos cinzas-azulados que vagueavam pelos terrenos do hospital Belle-Ile-sur-Mer.

Cristine e Suzanne iniciaram, então, a reprodução seletiva da raça adotando um casal de chartreux que vivia na ilha, Marquise e Coquito. Estes gatos formaram o núcleo do seu programa de criação e uma das gatinhas da primeira ninhada, Mignonne de Guerveur foi a primeira gata chartreux a obter o título de Campeã Internacional. Foi considerada “a gata mais estética da exposição do Cat Club de Paris” em 1931 e os seus descendentes foram Campeões ou Campeões Internacionais.

Na era moderna – História do Chartreux

Em 1939 foi reconhecido o primeiro standard da raça de Chartreux e o famoso gato azul de França passou a ser mais conhecido e representado na Europa ocidental. No decorrer da 2ª Guerra Mundial, alguns criadores tentaram salvar a raça da extinção, acabando por fazer cruzamentos de gatos azuis com ou sem pedigree, e especialmente British Blue e Persas, para refinaram a tradicional raça francesa.

A Fife (Federação Internacional Felina) em 1970, agrupou o Chartreux e o British Blue no mesmo standard, e finalmente depois da contestação de pessoas com paixão pela raça Chartreux, que provaram as diferenças estruturais e morfológicas entre as duas raças.

Jean Simonnet (presidente do Club du Chat des Chartreux), apurou a raça e publicou em 1972 um livro intitulado “Étude sur le chat des Chartreux“, sendo que em 1977 o standard do gato Chartreux foi atualizado pela Fife.

Temperamento do Chartreux

O Chartreux é um gato dócil, afetuoso, amável, brincalhão, com uma forte personalidade e muito independente. Com o seu olhar doce e pelo lanudo, cativa qualquer um logo no primeiro instante.

Apresenta algumas qualidades típicas de um cão, seguindo o seu dono para onde quer que ele vá e acompanhando-o nos momentos mais alegres e nos mais tristes, também. Demonstra, assim a sua enorme devoção e carinho, podendo ressentir-se bastante numa ausência prolongada do dono.

É muito silencioso e sensível, pois não gosta de demonstrar os seus sentimentos e raras vezes se ouve miar. É talvez o gato mais quieto de todas as raças, mas em contrapartida, contempla-nos com os seus eternos e constantes ronrons. É por isso conhecido como o gato ronronante. Demonstra grande afetividade pelo seu dono, manifestando a sua felicidade e alegria.

Gostam de viver num ambiente calmo, são bastante tolerantes e sociáveis. Mas, não gostam de ruídos estranhos e barulhos altos, por isso, é de evitar discussões junto deste gato, pois pode ficar assustado. Normalmente, nestas situações opta por retirar-se do local, pois prefere fazê-lo a tornar-se agressivo.

Cuidados especiais

Chartreux

O Chartreux é um gato de pelo curto e grosso, que requer poucos cuidados especiais, mas é necessária alguma atenção para que a sua apresentação seja exemplar, pelo que: deve ser escovado pelo menos uma vez por semana, o que para além retirar os pelos mortos, contribui ainda para uma uniformização da cor do manto do seu gato e evita a formação de bolas de pelo no estômago.

As suas orelhas requerem especial atenção, pois têm uma segregação auricular maior do que a maioria dos gatos. É aconselhável que as orelhas sejam limpas uma vez por semana, primeiro com lenços úmidos e depois com um cotonete.

A alimentação varia de acordo com as fases de vida de um gato. Quando este é jovem, necessita de um suplemento proteico encontrado em rações de boa qualidade para gatinhos. O gato Chartreux tem um desenvolvimento diferente dos outros gatos e apenas atinge a maturidade perto dos quatro anos de idade, pelo que este tipo de alimentação deve ser administrada até mais tarde. Se o gato for castrado, tiver pouca atividade ou uma idade já avançada, deve-se dar um alimento menos rico, de forma a não ficar obeso. Têm tendência para gengivites, daí a necessidade de ingerirem alimentos secos.

Em alguns Chartreux os dentes incisivos de leite não caem, portanto, logo que nascerem os definitivos é preciso arrancá-los.

fonte: Wikipedia.org

Comentários do Facebook

About pozzana